Veja mitos e verdades

Especialista tira as principais dúvidas femininas em relação ao uso do protetor diário

O uso de protetores diários ainda gera muitas dúvidas nas mulheres. Afinal, o produto pode causar algum problema, como infecções? Para desmitificar o uso e auxiliar na escolha das mulheres, a especialista Zsuzsanna Di Bella, professora da EPM (Escola Paulista de Medicina) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e membro Febrasgo (federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia). Veja a seguir!



Um estudo realizado pela UNICAMP (Universidade de Campinas) avaliou mulheres usuárias de protetores diários por 75 dias e observou que 92,8% delas afirmou que se sentiram mais seguras, confiantes e limpas com a utilização diária do protetor. 

 

Protetor diário é um mini absorvente. Mito    

De acordo com Di Bella, o absorvente menstrual possui camada plástica e maior capacidade de absorção para reter os fluidos da menstruação. Por isso, é mais espesso e tem tamanho maior do que um protetor diário.  

— Os protetores se dividem em dois tipos: aqueles feitos para o início e final da menstruação, que possuem uma fina camada plástica para reter pequenos fluxos, e os respiráveis, que são ideais para o uso diário pois são feitos com um material poroso que permitem a circulação do ar

O uso de protetores diários é prejudicial porque abafa a região íntima. Mito 

Diferentemente da barreira plástica dos absorventes menstruais, o protetor de uso diário é feito de material respirável com microporos que permite a ventilação e não abafa a região genital, podendo ser utilizado nos dias em que não estamos menstruadas, explica a ginecologista

O protetor é indicado só para mulheres com problemas ginecológicos. Mito    

Segundo a especialista, o protetor foi desenvolvido para o uso diário com objetivo de atender às necessidades femininas comuns, como absorver a umidade natural, a transpiração excessiva, leves escapes de urina e os fluídos vaginais, além de neutralizar os possíveis odores da área íntima

O protetor diário diminui o contato entre a pele e possíveis corrimentos. Verdade 
   
Pelo fato do produto absorver os fluidos provenientes da vagina, como pequenos fluxos sanguíneos, escapes urinários e corrimento vaginal, permite que a pele da região íntima não fique em contato com estes fluídos, dando a sensação para a usuária de limpeza e higiene ao longo do dia

O uso diário do protetor aumenta as chances de desenvolver infecções. Mito  
  
Foi comprovado, por meio de estudo realizado e acompanhado por ginecologistas, que o protetor diário, quando utilizado corretamente, não aumenta as chances de infecções, como por exemplo, a candidíase, afirma.
  
— Ele é feito com material respirável e permeável, que não abafa nem altera a condição natural da região íntima. Sendo assim, seu efeito é justamente o contrário: ele ajuda a prevenir possíveis infecções normalmente causadas pela umidade que pode ficar na calcinha

É preciso trocá-lo durante o dia. Verdade    

De acordo com Di Biella, a mulher pode trocar o protetor sempre que achar conveniente para se sentir limpa e seca.   

— O mais indicado é substituí-lo ao menos duas vezes ao dia para garantir qualidades máximas na adesão à calcinha, na integridade do protetor diário de calcinha e na atuação do sistema de controle de odores

O uso diário causa irritação e coceiras. Mito    

Para a especialista, o uso do protetor diário possibilita uma sensação semelhante à de uma calcinha de algodão, uma vez que é feito deste produto natural. Entretanto, se você perceber alguma sensação anormal, como coceiras ou irritações, é importante visitar o ginecologista, ressalta a médica

O protetor diário não modifica o pH da região íntima. Verdade    

Di Biella afirma que o protetor respirável pode ser utilizado diariamente pois é feito de material respirável, que permite a circulação de ar, e não interfere na flora vaginal, nem no pH conforme estudos realizados.

Fonte: R7